quinta-feira, maio 19, 2005

Vivia na solidão uma tristeza imensa,
maior que lagos, rios e oceanos.
Fui espectro surdo, mudo e cego.
Somente a luz do sol permitia o meu viver.
Vagou minh'alma em ruas, praias e parques.
Na noite da treva...sob o luar da incerteza.
Nos fiapos de luar coloquei minhas magoas.
Muitos dias e noites se passaram!
Numa noite clara surgiu a Lua!
Entrou em mim sem pedir licença...
Instalou-se dentro de mim e ficou
Não sei dizer a hora que chegou.
Somente sei dizer que com ela
a minha felicidade voltou.
(Autor Desconhecido)

2 Comentários:

Anonymous M.S disse...

Força continua, mais uma vez parabens.

9:36 da tarde  
Anonymous Inês disse...

Gostei deste poema e também das imagens. Voltarei para mais comentários até breve.

9:37 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial