quarta-feira, maio 25, 2005

Não amo a cor dos olhos
Amo o olhar
Não amo a brancura dos dentes
Amo o sorriso
Não amo o contorno dos lábios
Amo o beijo
Não amo o formato dos braços
Amo o abraço
Não amo o alongado dos dedos
Amo a carícia
Não amo as curvas das pernas
Amo o andar
Não amo o volume dos seios
Amo o aconchego
E que bom não seja isto uma escultura
Seja apenas um poema à-toa
Porque não amo um corpo
Amo uma pessoa.

(António Soares)

1 Comentários:

Anonymous Vera Andrade disse...

Bom gosto para este poema. Voltarei mais vezes cá.

10:40 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial